sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Feliz Aniversário, Meu Filho













Dei sinal de luz alta para acordar o porteiro do prédio que cochilava na guarita de acesso ao prédio onde morávamos.

Eram três e meia da madrugada, e eu voltava de mais uma noitada de trabalho intenso nos meus dois bares de então: O “El Bodegón” – barzinho típico cubano, e o “El Paso Cabaret” – casa mexicana dançante na revitalização doRecife antigo

Ao tomar o elevador, entrou comigo uma amiga da família, Márcia, que devia estar esperando esta oportunidade, já que não é afeita a noitadas.

Com a calma e simpatia que lhe são características, falou: - “Rodolfo, eu preciso ir outra hora à sua casa conversar com vocês.” Imediatamente me vieram à lembrança as traquinagens do meu filho caçula, na época com oito anos.

Respondi rápido, torcendo para estar certo: - “Meu caçula aprontou alguma!” E ela, apenas com a cabeça, respondeu que não. Agora tenso, passei à segunda opção: “O meu 'mais velho' engravidou a namorada!” E Márcia, ainda com a cabeça, mas agora contrariada, respondeu que sim...

Naquele tempo eu ainda tomava uns drinques, e havia feito isso naquela noite. Sarei imediatamente.

Passei o resto da madrugada em claro, e às seis acordei e fui ao quarto dos três filhos homens. Encontrei-o ainda deitado mas acordado, de olhos fechados, balançando ansiosamente um dos pés, e com o braço dobrado sobre os olhos. Ajoelhei-me ao seu lado e perguntei, colocando minha mão sobre seu braço: “Está tudo bem, meu filho?” E ele, apenas com a cabeça, respondeu que sim.

Eu sofria imensamente ao imaginar o que ele estava sentindo, então não me conformei com a resposta e insisti: “Está tudo bem mesmo, filho?” E ele, me convocando para dividir aquela angústia com ele, respondeu que não.

Imediatamente, bati rápida e suavemente com a mão sobre seu braço e assumi o comando: “Levante, vamos para a praia, precisamos conversar.”

Poucos minutos depois estávamos em Boa Viagem.

Com o braço sobre seu ombro, perguntei: “Filho, é verdade que sua namorada está grávida de você?”

- É verdade, pai.

E chorou.

Choramos...

Abracei-o forte, e perguntei: “Mas meu filho, por que não me disse antes. Por que carregou sozinho um problema desses?” E ele, agora me olhando nos olhos, respondeu: “Você me alertava todo dia para que tivesse cuidado com isso, daí eu fiquei receoso de lhe contar”.

Realmente, todos os dias, ao levá-los ao colégio (ele como mais velho ia ao meu lado, no carro), pedia-lhe isso: “Cuidado, meu filho, para não engravidar ninguém. Você tem apenas 15 anos e isso pode atrapalhar sua vida.”

Na verdade, essa minha preocupação vinha de uma cena que observara da área de serviço do nosso apartamento meses antes: sua namorada sentada em um dos bancos do mezanino, enquanto ele deitado de costas e com a cabeça em seus braços era beijado demorada e ardentemente. Minha nora tinha então 14 anos e seu pai não sabia sequer que ela já tinha namorado.

Foram dias muito difíceis, de muitas incertezas, de mudanças de planos, mas não de rumo. 

Esse acontecimento nos uniu a todos em torno daquelas duas crianças. A gravidez já estava no quinto mês, e minha primeira neta nasceu em meados de janeiro de 1995, me transformando no vovô mais jovem das redondezas.

Nunca entregaram sua filha para os avós e sairam para curtir a adolescência. Não a tiveram. Tornaram-se adultos num piscar de olhos. Minha nora é uma mulher admirável, de personalidade forte e marcante.

Costumo dizer a meu filho que a vida o convocou para ser adulto quando ainda era criança, e ele, de pronto, respondeu a ela: “PRESENTE!”

Casaram-se anos depois, com as DUAS filhas como damas de honra a conduzir as alianças.

Todos chorávamos.

Agora são três filhas lindas e saudáveis, e eles dois, quando nos reunimos mensalmente para um churrasco e comidinhas japonesas, ainda se beijam ardentemente, como naquela tarde, há dezoito anos atrás.

Hoje é aniversário dele...

Feliz aniversário, meu filho.





2 comentários:

  1. Nadja Rolim11:46 AM

    ÊTA Paizão que ama imensamente os filhos!!! É muito bom ver, ler e conviver com isso. Não conheço, até agora, nenhuma outra pessoa que tenha tamanha dedicação, entusiasmo, generosidade, carinho e sobretudo respeito com os filhos do que você, Rodolfo.
    Sou sua fã demais por isso e tenho absoluta certeza, que o elo existente entre pais e filhos é uma das ligações mais fortes da natureza.

    Nadja Rolim

    ResponderExcluir
  2. Vasconcellos,como vc é abençoado!!!!Que história mais linda!.Que pai maravilhoso vc foi nesse momento tão difícil para o seu filho,sendo ainda adolescente e tendo que deixar muita coisa de lado,como os estudos,para enfrentar uma responsabilidade ainda precoce para os dois.Você me fez chorar.Consegui ler tudo, muito emocionada,parei várias vezes mas cheguei até o fim.Parabéns ao seu filho,que está aniversariando hoje,parabéns ao casal, que tenho certeza ,foi com muito sacrifício , chegaram até aqui.Parabéns ao VOVÔ,pela postura que teve ,dando o apoio e as palavras certas que ele estava esperando ouvir.Eu sempre falo para as minhas amigas quando isso acontece: "Fique feliz,antes Mais UM do que Menos UM".Um grande beijo Cris

    ResponderExcluir