quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Férias na Casa de Praia de Babá e Célia – VI – Enfim o Churrasco

.
.
.
.
.
.
Salgando medalhões de picanha argentina.
.



-->
Hoje cedo fomos à casa do casal de artistas plásticos Nilso e Leda devolvermos a churrasqueira. Há quatro dias tem sido nossa única preocupação, já que a quase totalidade do nosso tempo é preenchida com praia, cozinha e muita conversa.
A generosidade do casal nos impediu de simplesmente comunicarmos a fato do desmantelamento da companheira que lhes servira tanto tempo.
.
Hospital de churrasqueiras: Feira do Milho, Mercado Central, Joáo Pessoa-PB
.
Após inúmeras tentativas com fabricantes de churrasqueiras no bairro de Oitizeiro, Cruz das Armas e nas praias, localizamos enfim o Galego, serralheiro instalado na Feira do Milho no Mercado Central, que se propôs a atender nosso desejo de apenas restaurar aquela raridade, em vez de vender uma das suas, de modelos totalmente diferentes, incapazes de defumar e assar peixe embrulhados em papel alumínio. Recebemos um amigável convite para saborearmos um desses assados, mas já estávamos a dois dias do retorno às nossas cidades de origem (Recife e Campina Grande) e com as agendas irremediavelmente preenchidas, o que nos levou a combinar para uma próxima oportunidade.
.
De volta ao lugar de onde nunca deveria ter sido retirada. 
.
Não pensamos que a missão seria tão difícil. Nilso ficou irredutível, sem querer sequer mostrar o local onde deveríamos deixar a nova/velha peça. Foi preciso explicar que foi justamente a generosidade deles em nos atender naquela emergência que nos impelia a restituir-lhes o prazer do convívio com a mesma churrasqueira.
.
Com o mano Xanda e minhas sobrinhas Rafaele e Aninha.
.
Da casa deles já fomos direto para a Praia do Seixas, onde fica a AFRAFEPE (Ass. dos Auditores Fiscais do Estado da Paraíba) da qual Babá é sócio, e nos instalarmos no chalé mais próximo de uma das duas grandes churrasqueiras construídas em alvenaria.
.
 Com a cunhada Célia e Nadja.
.
Pudemos dispor de toda infra estrutura que o clube oferece para os associados churrasqueiros durante a semana, já que, nos finais delas, os churrasqueiros da própria associação assam as carnes de todos.
.
Na farofa, fatias de Maminha argentina.
.
Levamos algum acompanhamento para as carnes que foram sendo assadas numa ordem em que a fome da meninada – que chega antes da nossa – pudesse ser respeitada.
Vieram as lingüiças petisco de frango, suíno e bode que foram servidas em um tabuleiro com deliciosa farofa. Em seguida vieram as maminhas argentinas e picanhas de cordeiro uruguaio. Por último, como almoço, servimos as picanhas argentinas. 
.
 Os irmãos Nenen e Babá.
.
Ainda senti falta do tradicional Cupim, para o qual desenvolvi uma maneira própria de assar, a qual divido carinhosamente com todos vocês: Compre sempre a ponta do Cupim, ou seja, aquela mais entrecortada de gordura. Nunca compre em açougue o Cupim inteiro. Certamente você terá que comprar as pontas de mais de um Cupim. De preferência congele por alguns dias, e descongele retirando do congelador e colocando no dia anterior na parte de baixo de geladeira. Corte em fatias grossas (dois dedos de homem) e deixe na panela de pressão por uma meia hora, em fogo baixo, sacudindo de vez em quando para que não queimem. Deixe esfriar na própria panela, e quando levar à churrasqueira, salgue com cuidado, com sal fino. Quando dourar, corte no sentido transversal das fibras, e bom apetite.
.
Fatiando Picanhas de cordeiro uruguaio.
.
Desfrutávamos do mar à direita e das piscinas à esquerda, enquanto saboreávamos o churrasco que preparo com todo o carinho. Na verdade acho que cozinhar para as pessoas que você ama é uma das melhores demonstrações de carinho.


.
.
.
.
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário